segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Guia prático para cuidar de PLANTAS




1. Cuidados com as Flores
Muita gente reclama. Afinal, nas floriculturas os vasinhos são lindos, mas quando chegam em casa logo começam a definhar. O que acontece?
Em primeiro lugar, nunca se deve, quando se pretende ter flores durante um bom tempo, comprar vasos com todas as flores abertas. Convém que elas estejam em botão e só abram em sua casa. Em segundo lugar, não se esqueça de que as plantas floríferas precisam de bastante luminosidade. Se ficarem em local sombrío, acabarão morrendo. Deixe os vasos próximos às janelas e abra as cortinas.

2. As Suas Ferramentas 
Parece exagero afirmar que a jardinagem dentro de casa exige ferramentas: é tão simples plantar em vaso... Mas, à medida que sua coleção de plantas for aumentando, você irá perceber que as improvisações aumentam seu trabalho e causam contratempos, como a água que cai no tapete, a mistura de terra que suja a parede etc. Isso pode ser evitado se você contar com o auxílio de algumas ferramentas para cuidar de suas plantas.

Para o plantio: Você vai precisar de 2 pazinhas: uma bem estreita para perfurar a terra do vaso e facilitar a penetração de fertilizantes e outra mais larga para preparar as misturas; um rastelinho para eliminar ervas daninhas da superfície de vasos e jardineiras; e um garfo para afofar a terra e permitir que as raízes recebam oxigênio, água e fertilizantes.

Para as regas: Covém ter à mão um regador de 5 litros para as regas normais; um regador de ½ litro para plantas pendentes; um pulverizador para a aplicação de fertilizantes foliares; e, se você tiver muitas plantas, uma mangueirinha que possa ser acoplada à torneira.

Para as podas: Você vai precisar de uma tesoura comum para eliminar folhas mortas, secas ou deterioradas. Também é necessário uma tesoura de jardinagem - especial para podas - que permita cortar com facilidade ramos lenhosos.

Material de proteção: Um par de luvas é muito útil quando se podam plantas que têm espinhos e sempre evita que você suje as mãos.

3. Vasos e Vasos

Na hora de decorar seu terraço com plantas, tudo é permitido. Jogue com vasos de vários tamanhos, materiais e formatos. Além disso, improvise à vontade, lançando mão de recipientes originais: calderôes e panelas antigas, carrinhos de mão, pratos e xícaras sem uso, cumbucas de barro, sopeiras...

Material do vaso: Para terraços ou para uso externo em geral dê preferência aos vasos de cimento, cerâmica, fibra de vidro ou madeira resistente. Evite metal, plástico e madeira de qualidade inferior: os dois primeiros não permitem boa drenagem, e o último se desfaria depois de algum tempo, com as constantes regas.

Tamanho e profundidade: Vasos muito grandes são difíceis de transportar de um lado para outro; vasos pequenos demais necessitam de regas freqüentes, principalmente se o terraço receber muito sol. No caso de sacadas de apartamentos, é aconselhável verificar o peso máximo que a estrutura pode suportar.

Drenagem dos vasos: De modo geral, todos os vasos já vêm com o orifício de drenagem. Isso é fundamental para que a mistura de solo não fique encharcada e provoque o apodrecimento das raízes. Se o vaso não tiver orifícios, faça-os com uma verruma. E lembre-se: quanto maior o vaso, mais orifícios de drenagem deve ter. Antes de colocar a mistura do solo, vede esses orifícios com alguns caquinhos.

4. Regar 
QUANDO REGAR

As regas têm importância fundamental no desenvolvimento das plantas.
O excesso de água é tão prejudicial quanto a falta. Mais: nem todas as plantas têm a mesma necesidade de água. E ainda, a mesma planta, dependendo da época do ano ou do seu período de desenvolvimento, exige mais ou menos água do que o habitual. Isso mostra que as regas não são tão simples e que as tabelas que prescrevem sua freqüência são apenas indicadoras, ou seja, não devem ser obedecidas ao pé da letra. Então, como saber a quantidade de água necessária a nossas plantas?

Ar: Suas plantas precisam de mais água do que o habitual nos dias quentes e secos do que frios e úmidos; mais no verão do que no inverno.

Solo: Se o solo do vaso for poroso e arejado, precisará de mais água do que se for formado por uma mistura densa, argilosa. Também a textura do solo é importante: os mais finos retêm mais água que os mais grossos.

Vaso: Vasos de barro e de cerâmica, quando não impermeabilizados, absorvem e evaporam boa parte da água que você coloca para a planta. Embora sejam benéficos, exigem regas mais constantes. Deixe esses vasos de molho durante uma noite antes de usá-los pela primeira vez, o que evita uma absorção excessiva da água da rega. Vasos de plástico e de cerâmica impermeabilizada não são porosos e, por esse motivo, precisam de menos água durante as regas. Lembre-se também de que os vasos menores, por terem menor quantidade de terra, secam mais depressa e precisam de regas mais freqüêntes.

Drenagem: Regue até que a água comece a sair pelo furo de drenagem do vaso. Espere um pouco, e então esvazie o prato que recolhe a água drenada.

Planta: Quando florida, a planta precisa de mais água do que o habitual. Uma planta murcha - é claro - está pedindo socorro. Se isto chegou a acontecer, coloque o vaso submerso, de modo a não molhar a folhagem, num recipiente maior com água em temperatura ambiente. Deixe-o num local fresco até que a planta se reanime.

COMO REGAR

Existem 3 modos básicos para se regar as plantas:

Rega por cima: É o processo mais comum, ideal para a maioria das plantas. Consiste em regar a planta com um regador de bico fino, fazendo com que a água penetre pela mistura do solo até sair pelo furo de drenagem. Quando aplicar este tipo de rega, seja generoso; só pare depois de a água ter drenado bem. Mas não deixe a superfície transbordar, espere a água descer naturalmente para colocar mais.

Rega por baixo: É especialmente adequada para as espécies que formam touceiras e fecham a superfície do vaso, não deixando ver o solo. O processo consiste em encher o prato que fica debaixo do vaso e deixar a água penetrar pelo furo de drenagem. Quando a umidade tiver atingido a superfície do vaso - não esqueça que o processo é lento - você deve tirar a água que sobrou no prato.

Imersão: É uma rega especial. Deve ser adotada quando as plantas estão ressecadas e murchas devido à falta de água. Também é ótima para regar orquídeas e samambaias plantadas em placas de xaxim. Aplicar esta rega é simples: encha um balde com água suficiente para cobrir o vaso inteiro - mas só o vaso. Deixe-o submerso por 2 minutos, até acabar de borbulhar. Depois levante o vaso e deixe-o drenar todo excesso de água


Amarílis
Hippeastrum (híbrida)

Nos canteiros, as amarílis formam massas coloridas de grande impacto visual. Dentro de casa, seu porte elegante - o cacho de flores aparece no alto de um pendão - permite que ela seja aproveitada para compor arranjos.

Luz: Alta intensidade, bem próximo a uma janela ensolarada.
Temperatura: 21 a 29ºC. Tolerando até 2ºC.
Água Espere a superfície do solo secar, antes de regar novamente.
Adubação A cada mês.
Propagação Sementes ou bulbos.
Cuidados especiais Assim que a floração terminar, leve o vaso para fora. Espere as folhas caírem e colha os bulbos para replantar na próxima estação, em setembro
Problemas comuns: Combata possíveis ataques de lagartas, se plantar em canteiros, com aplicações mensais de fungicida.

Amor-perfeito
Viola wittrockiana

No inverno, o pequeno amor-perfeito enche de alegria jardins e jardineiras. Fica excelente em jardineiras ensolaradas e vai muito bem ao redor de áreas gramadas ou cercas-vivas.

Luz: Algumas horas de sol direto por dia.
Temperatua: 4 a 26ºC, tolerando até 2ºC.
Água: Espere a superfície do vaso secar antes de regar novamente.
Adubação: A cada 1 ou 2 meses.
Propagação: Sementes.
Cuidados especiais: Cubra as plantas com plástico ou recolha para dentro de casa, se houver perigo de geada.
Problemas comuns: Se a planta florescer pouco, experimente colocá-la em local mais ensolarado.

Antúrio
Anthurium andraeanum

Este antúrio é uma planta curiosa. A parte vermelha de sua “flor” é uma bráctea, ou seja, uma folha modificada. Quando a gente a toca, sente que sua superfície tem consistência igual à das outras folhas verdes, e, como elas, parece ter sido encerada. A verdadeira flor do antúrio é a espiguinha amarelada. Ela contém dezenas de flores minúsculas, e produz flores o ano todo.

Luz: Média a alta intensidade, próxima a uma janela de face norte ou leste. Doze ou mais horas de luminosidade estimulam a floração.
Temperatura: 18 a 26ºC, tolerando até 13ºC.
Adubação: A cada três meses ou mensalmente se você usar adubo solúvel em água.
Propagação: Divisão de touceiras
Cuidados especiais: Regue diariamente se usar pedregulhos na mistura de terra do vaso.
Problemas comuns: Se a planta não der flor, coloque-a num local mais iluminado.

Ave- do-Paraíso
Strelitzia reginae

Exótica e decorativa, a estrelítzia se destaca pelas cores e pelo formato de suas flores, que lembram um pássaro.Essa semelhança é que lhe deu o nome de ave-do-paraíso.
Atinge 90 cm de altura e só floresce depois de possuir pelo menos 8 folhas adultas.

Luz: Alta intensidade, junto de uma janela de face norte ou leste. Altíssima intensidade para floração.
Temperatura: 15 a 26ºC, tolerando até 2ºC.
Água: Espere a superfície do solo secar e regue novamente.
Adubação: A cada 2 meses.
Propagação: Sementes ou divisão de touceiras.
Cuidados especiais: Pode a planta para estimular a brotação.
Problemas comuns: Verifique periodicamente se há cochonilhas sem carapaça sob as folhas.

Begônia
Begonia rex “Merry Christmas”

Plantada em vaso, esta espécie de begônia revela toda a sua beleza. As folhas formam um desenho incrível com a combinação de verde-pálido, verde-escuro e vermelho-escuro, e veios rosados sobressaem da parte mais clara. Com as folhas tão bonitas, ela nem precisa de suas suaves flores brancas para enfeitar sua casa. Nos Estados Unidos, a “Merry Christmas” é usada para decorar a ceia de Natal.

Luz: Média a alta intensidade, próxima a uma janela de face norte ou leste.
Temperatura: 15 a 27ºC. Tolerando até 7ºC.
Água: Conserve a terra do vaso sempre úmida.
Adubação: A cada 2 meses.
Propagação: Estacas de 7,5 a 10 cm com 2 ou 3 folhas ou estacas de folhas.
Cuidados especiais: Replante a cada 2 anos. Mensalmente passe um pano úmido nas folhas.
Problemas comuns: Aumente a umidade sempre que as folhas se tornarem marrons.

Beijinho
Impatiens balfourii

O beijinho, também conhecido como maria-sem-vergonha, é uma planta que vive coberta de flores praticamente o ano inteiro. As flores aparecem nas cores vermelha, rosa, lilás ou laranja. O beijinho cresce de 15 a 30 cm. Se você procura uma plantinha mimosa e que dê pouco trabalho, não se canse mais: já a encontrou.

Luz: Alta intensidade, bem junto a uma janela ensolarada.
Temperatura: 15 a 26ºC, tolerando até 7ºC.
Água: Conserve o solo do vaso úmido.
Adubação: A cada mês, durante o crescimento; depois, a cada 2 meses.
Propagação: Sementes ou estacas de ponteiros.
Cuidados especiais: Se a planta crescer fraca, pode os ramos mais altos, deixando-a com cerca de 15 cm .
Problemas comuns: Cuidado com os ácaros.

Bico-de-papagaio
Euphorbia pulcherrima

Conhecido também como poinsétia, é um arbusto de grande porte; as variedades anãs, porém, podem ser cultivadas em vasos dentro de casa.

Luz: Alta intensidade, próximo a uma janela de face norte ou leste.
Temperatura: 15 a 30ºC, tolerando até 2ºC.
Água: Conserve o solo úmido, mas a planta suporta um ligeiro ressecamento.
Adubação : A cada mês.
Propagação: Estacas de galhos ou de ponteiros.
Cuidados especiais: Na primavera pode a planta para que nasça uma folhagem nova a cada ano.
Problemas comuns: Se a ponta ou a borda das folhas ficarem marrons, diminua a rega.

Brinco-de-princesa
Fuchsia (híbrida)

O gênero Fuchsia compreende mais de cem espécies. Por ter ramos longos e flexíveis, esta planta fica muito bem num recipiente pendente. A planta produz flores em forma de sino, dobradas ou singelas, nas cores rosa, vermelha, branca e laranja. É um lindo presente.

Luz: Alta intensidade, próximo a uma janela de face norte ou leste.
Temperatura: 15 a 30ºC, tolerando até 4ºC.
Água: Espere o solo secar ligeiramente, antes da próxima rega.
Adubação: Uma vez por mês.
Propagação: Estacas de ponteiros de 10 cm .
Cuidados especiais: Replante a cada 2 anos, utilizando mistura de solo com mais de 50% de matéria orgânica
Problemas comuns: Cuidado com as cochonilhas e ácaros.

Ciclame
Cyclamen persicum

As folhas em forma de coração têm vários tons de verde, cinza-prateado e marrom, rivalizando em beleza com as flores. Estas também são lindas, brancas, rosa ou vernelhas. Coloque-o perto de uma janela ensolarada e proteja-o das correntes de ar.

Luz: Alta intensidade, junto a uma janela de face norte ou leste.
Temperatura: 10 a 20ºC, tolerando até 2ºC.
Água: Mantenha o solo úmido, sem encharcá-lo.
Adubação: A cada 2 meses.
Propagação: Sementes e tubérculos.
Cuidados especiais: Plante em vaso maior sempre que necessário. Use mistura de solo com 50% ou mais de matéria orgânica.
Problemas comuns: Se os brotos ou flores começarem a cair, diminua as regas. Se a planta ficar debilitada, coloque-a em local mais iluminado.

Comigo-ninguém-pode
Dieffenbachia picta

Idênticas à primeira vista, as Dieffenbachia, conhecidas como comigo-niguém-pode, apresentam diferenças significativas. Suas grandes folhas de tonalidade verde-escura são salpicadas de manchas brancas de diferentes tamanhos. Apesar de linda, esta é uma planta perigosa: tóxica, deve ficar longe de crianças e animais.

Luz: Média intensidade; próximo, mas não muito, de uma janela de face norte ou leste.
Temperatura: 21 a 26ºC, tolerando até 10ºC.
Água: Espere a superfície do solo secar, antes de regar novamente.
Adubação: A cada 2 meses.
Propagação: Estacas de ponteiros de 20 a 25 cm ou pedaços de caule de 7,5 a 10 cm .
Cuidados especiais: Corte o topo e replante quando a planta ficar muito alta. Use mistura de solo com mais de 50% de matéria orgânica.

Problemas comuns: Cuidado com ácaros e cochonilhas.

Crisântemo
Chrysanthemum morifolium

Os crisântemos chegaram à Europa e Américas no século XVIII, numa verdadeira festa de formas e cores: em forma de bola, de pompom; em cores que variam do branco ao bronze, com todos os matizes de vermelho, rosa, laranja e amarelo. No século IV, quando os chineses os introduziram no Japão, os japoneses ficaram encantados, e os transformaram em sua flor imperial. Podem ser cultivados em vasos.

Luz: A pleno sol, num peitoril de janela.
Temperatura: 10 a 30ºC, tolerando até 2ºC.
Água: Espere o solo secar antes de regar novamente.
Adubação: Mensal para adubo em pó ou solúvel em água.
Propagação: Sementes ou estacas da ponta dos ramos.
Cuidados especiais: Use mistura de solo com 50% de matéria orgânica.
Problemas comuns: Se as flores murcharem, regue mais.

Dinheiro-em-penca
Pilea nummulariifolia

Com a delicadeza de suas folhas redondas e cobertas de penugem, essa folhagem espalha-se rapidamente, exigindo poucos cuidados especiais. Ela é nativa das Índias Ocidentais e do Peru. Coloque o vaso num local arejado: em pouco tempo sua casa terá como efeito uma folhagem extremamente decorativa.

Luz: Média a alta intensidade, próximo a uma janela de face norte ou leste.
Temperatura: 15 a 26ºC, tolerando até 10ºC.
Água: Espere o solo do vaso secar antes de regar novamente.
Adubação: A cada 1 ou 2 meses.
Propagação: Estacas de ponteiros ou divisão de touceiras.
Cuidados especiais: Pode a planta a cada 3 meses e reenvase anualmente numa mistura contendo 50% de matéria orgânica.
Problemas comuns: Se as pontas ou bordas das folhas tornarem-se marrons, aumente a umidade. Se começarem a amarelar, diminua as regas.

Dólar
Plectranthus coleoides “Marginatus”

O dólar parece ter sido feito de encomenda para os apressadinhos: cresce rapidamente e logo fica coberto de folhas verdes, arredondadas e com manchas brancas nas bordas. Fácil de cultivar, não exige quase nenhum cuidado especial. Se você plantá-lo num vaso suspenso, ele caíra como uma cascata suavemente verde.

Luz: Média a alta intensidade, perto de uma janela de face norte ou leste.
Temperatura: 18 a 29ºC, tolerando até 10ºC.
Água: Conserve o solo do vaso úmido, embora a planta tolere um ligeiro ressecamento superficial.
Adubação: A cada 2 meses.
Propagação: Estacas de ponteiros 7,5 a 10 cm com 4 ou mais folhas.
Cuidados especiais: Limite a densidade da planta, cortando a ponta dos ramos. Replante anualmente, usando mistura com 50% de matéria orgânica.
Problemas comuns: Aumente a umidade sempre que as bordas das folhas ficarem marrons.
Espada-de-são-jorge-anã
Sansevieria trifasciata “Hahnii”

As folhas pequenas, com seu belo colorido em forma de mosaico, brotam diretamente do rizoma e se agrupam em roseta. Esta particularidade empresta à planta a aparência das outras variedades de espada-de-são-jorge, que embora também bonitas, têm uma aparência mais agressiva.

Luz: Baixa intensidade.
Temperatura: 13 a 29ºC, tolerando até 4ºC.
Água: Regue generosamente, mas espere a superfície do vaso secar, antes de regar novamente.
Adubação: A cada 2 ou 3 meses.
Propagação: Brotos ou estacas de folhas.
Cuidados especiais: Replante a cada 2 anos se a planta ficar grande para o vaso. Use mistura de solo com 50% ou mais de matéria orgânica.
Problemas comuns: Se as folhas começarem a amarelar, diminua a freqüência das regas.

Flor-de-maio
Schlumbergera truncata

A flor-de-maio é uma planta suculenta originária das florestas tropicais. Epífita, cresce agarrada nos galhos das árvores, preferindo lugares quentes e úmidos. Seus ramos, que crescem em segmentos, pendem depois que atingem 20 cm. É na ponta desses ramos que aparecem as flores, nas cores salmão, branca, rosa ou vermelha.

Luz: Média intensidade para o crescimento, alta intensidade para a floração.
Temperatura: 15 a 26ºC. Tolerando até 4ºC.
Água: Conserve o solo do vaso sempre úmido, embora a planta tolere sem problemas um ligeiro ressecamento superficial.
Adubação: A cada mês, durante o verão; depois, a cada 2 meses.
Propagação: Estacas com 2 segmentos.
Cuidados especiais: Para estimular a floração em maio, deixe a planta, durante cerca de 2 meses, exposta a 12 horas diárias de escuridão.
Problemas comuns: Se os botões murcharem, aumente a umidade.

Gerânio
Pelargonium (híbrido)

Resistentes à maioria das pragas e doenças, os gerânios propagam-se com facilidade, exigem poucos cuidados especiais e florescem continuamente. Se você tem uma jardineira junto a uma janela ensolarada, considere-se uma pessoa de sorte, pois este ambiente é tudo que o gerânio precisa para florescer.

Luz: Alta intensidade, perto de uma janela de face norte ou leste.
Temperatura: 15 a 30ºC, tolerando até 2ºC.
Água: Espere a superfície do vaso secar, antes de regar novamente.
Adubação: Aplicar mensalmente
Propagação: Sementes, estacas de ponteiros. Espere o corte cicatrizar, antes de enterrar as estacas.
Cuidados especiais: Pode as plantas no inverno para obter floradas abundantes na primavera.
Problemas comuns: Se houver pouca ou nehuma flor, mude o vaso para local mais iluminado.

Hortênsia
Hydrangea macrophylla

Bonitos, coloridos e reluzentes. Assim são os cachos de flores produzidos pela hortênsia, esta exuberante planta originária do Japão e da Coréia. Suas minúsculas flores de textura delicada podem aparecer nas mais variadas cores: rosa, lilás, vermelha, azul e branca. Tudo vai depender da acidez do solo onde estiverem plantadas.

Luz: Alta intensidade, próximo a uma janela de face norte ou leste.
Temperatura: 15 a 30ºC, tolerante até 2ºC.
Água: Mantenha o solo úmido, porém ela tolera ligeiro ressecamento.
Adubação: Mensal, de outubro a março.
Propagação: Estacas de 15 a 20 cm obtidas da poda após o florescimento.
Cuidados especiais: Replante a cada ano, com uma mistura de solo contendo 50% de matéria orgânica.
Problemas comuns Se as folhas crescerem muito e a planta não florescer, mude para local mais iluminado.

Jibóia
Epipremnum aureum

De todas as variedades de jibóia, esta é uma das mais difundidas e cultivadas, pois tolera como poucas a baixa luminosidade dos interiores, Suas folhas, resistentes, inteiramente riscadas e manchadas em diferentes padrões de amarelo e creme, não se repetem nunca. E crescem assustadoramente: em condições adequadas, as folhas podem atingir cerca de 30 cm de comprimento.

Luz: Baixa a média intensidade, próximo a uma janela de face norte ou leste.
Temperatura: 15 a 29ºC, tolerando até 7ºC.
Água : Espere a superfície do solo secar antes de regar novamente.
Adubação: A cada mês.
Propagação: Estacas de ponteiros ou galhos.
Cuidados especiais: Quando a planta atingir 25 a 30 cm , amarre-a num suporte.
Problemas comuns: Se a planta murchar ou a base do caule tornar-se marrom, faça estacas e elimine o resto da planta.

Lírio-da-paz
Spathiphyllum “Clevelandii”

Durante a primavera e o verão, grandes flores brancas aparecem entre a folhagem verde-escura e brilhante desta planta. Mas, na verdade, a “flor” é uma folha modificada de cuja base surge o espádice, coberto pelas pequeninas e verdadeiras flores. É ótima para o cultivo em interiores, pois se adapta perfeitamente à baixa intensidade de luz e ao ar seco.

Luz: Baixa intensidade.
Temperatura: 15 a 26ºC, tolerando até 7ºC.
Água: Conserve o solo do vaso sempre úmido, embora a planta tolere ligeiro ressecamento.
Adubação: A cada 1 ou 2 meses durante o crescimento. Depois, a cada 3 meses.
Propagação: Sementes ou divisão de touceiras.
Cuidados especiais: Limpe as folhas mensalmente com uma esponja ou um pano umedecido. Replante a cada 2 anos, usando mistura com 50% ou mais de matéria orgânica.
Problemas comuns: Se a planta não florescer, mude para local mais iluminado. Se murchar, regue com mais freqüência.

Petúnia
Petunia (híbrida)

As petúnias não duram mais do que uma estação. As flores podem aparecer em cores delicadas - como o creme e o branco - ou vibrantes - como o azul, o amarelo e o vermelho intensos. Você pode semeá-las numa jardineira colocada num peitoril de janela ou num terraço onde receba luz direta do sol.

Luz: A pleno sol, pelo menos algumas horas por dia.
Temperatura: 10 a 29ºC, tolerando até 0ºC.
Água: Espere a superfície do vaso secar, antes de regar novamente.
Adubação: A cada mês.
Propagação: Sementes. A melhor época para as semeaduras é o verão.
Cuidados especiais: Corte as flores que já murcharam, para estimular nova floração.
Problemas comuns: Se a planta murchar, regue mais vezes. Cuidado com as lagartas e gafanhotos, que esburacam as folhas e flores.

Primavera
Bougainvillea glabra

Se você quiser formar uma cerca viva colorida e exuberante, esta primavera é uma excelente solução. Nas regiões de clima tropical ela se desenvolve em todo o seu esplendor, produzindo cachos brilhantes de brácteas rosadas com veios mais escuros; violeta, lilás, rosa-escuro e vermelho. Sob essas brácteas crescem ainda flores tubulares, delicadas e muito brancas.

Luz: Alta intensidade, bem próximo a uma janela de face norte ou leste.
Temperatura: 18 a 27ºC, tolerando até 2ºC.
Água: Espere a superfície do solo do vaso secar antes de regar novamente.
Adubação: Aplicar mensalmente.
Propagação: Estacas de ponteiros.
Cuidados especiais: Corte a ponta dos ramos para estimular a brotação. Se a planta tornar-se muito desenvolvida, mude-a para um vaso maior, contendo uma mistura de 50% de matéria orgânica.
Problemas comuns: Cuidado com os ácaros debaixo das folhas.

Prímula
Prímula

Quando a prímula floresce, no inverno, os cachos de flores sobressaem das folhas, formando um buquê colorido. As flores aparecem nas cores vermelha, branca, rosa ou alaranjada - algumas com núcleo dourado-, num delicado contraste com o verde luminoso da folhagem.

Luz: Alta intensidade, bem próximo a uma janela de face norte ou leste.
Temperatura: 15 a 30ºC, tolerando até 2ºC.
Água: Espere a superfície do solo do vaso secar antes da próxima rega.
Adubação: A cada mês.
Propagação: Sementes.
Cuidados especiais: Passe uma esponja umedecida para retirar o pó das folhas.
Problemas comuns: Verifique periodicamente se não há ácaros ou cochonilhas no verso das folhas.

Rainha-margarida
Callistephus chinensis

Exuberante como um crisântemo, a rainha-margarida aparece com muita freqüência em quadros de pintores da China, país onde se origina. E, de fato, quem vê do alto de sua longa e elegante haste nâo tem nenhuma dúvida em considerá-la um modelo perfeito para obras de arte. Semeie depois de março e ela se desenvolverá rapidamente.

Luz: A pleno sol, mas tolera meia sobra.
Temperatura: 10 a 29ºC, tolerando até 4ºC.
Água: Espere a superfície do solo do vaso secar, antes de regar novamente.
Adubação: A cada 3 ou 4 semanas.
Propagação: Sementes (germinam em 2 ou 3 semanas).
Cuidados especiais: Corte as flores murchas para estimular nova floração.
Problemas comuns: Verifique a existência de ácaros sob as folhas e de pulgões no caule.

Violeta-africana
Saintpaulia ionantha

Os cruzamentos que a violeta-africana sofreu resultaram numa imensa gama de variedades, com flores em tons rosa, lilás e roxo; e em pétalas lisas ou dobradas. Para obter efeito mais decorativo, plante-a em pequenos vasos: em pouco tempo eles ficarão carregados de cachos de flores.

Luz: Média intensidade para crescimento e alta intensidade para floração, perto de uma janela de face norte ou leste.
Temperatura: 18 a 26ºC, tolerando até 13ºC.
Água: Mantenha o solo do vaso sempre úmido, mas atenção: não molhe as folhas.
Adubação: A cada mês.
Propagação: Estacas de folhas ou divisão de touceiras.
Cuidados especiais: Regue sempre com água à temperatura ambiente. A água muito fria pode causar manchas amarelas nas folhas.
Problemas comuns: Se não houver flores, mude para um local mais iluminado. Se os botões ou flores começarem a cair ou a secar, aumente a umidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário,é muito importante pra nós.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.